Edições Natureza © - Todos os direitos reservados. 2.003 - 2.015

 

 

CUIDADOS NO USO DAS PLANTAS

 

       Floreira - Gif  Bule de Chá - GifCaixa de Primeiros Socorros - Gif

Muitas vezes escutamos as pessoas recomendarem o uso de plantas medicinais dizendo: "Se bem não fizer, mal também não fará." Infelizmete não é isso que ocorre, porque o uso inadequado de plantas medicinais pode muitas vezes não realizar o efeito desejado.

O uso de plantas, quando efetuado com critérios, só tem a contribuir para a saúde de quem o pratica.

Esses critérios se referem à identificação da doença ou do sintoma apresentado, conhecimento e seleção correta da planta a ser utilizada e uma adequada preparação.

As planta medicinais devem ser adquiridas, preferencialmente, por pessoas ou firmas idôneas que possam dar garantia da qualidade e da identificação correta. O ideal seria que as pessoas e instituições que fazem uso das plantas medicinais, mantivessem o cultivo das espécies mais utilizadas.

Na preparação, deve-se observar cuidadosamente a dosagem das partes vegetais e sua forma de uso.

As misturas de plantas no chá devem se restringir a um número pequeno de espécie com indicações e uso semelhantes.

A forma de uso e a freqüência também são importantes durante o tratamento. Não adianta ingerir um litro de chá de uma só vez, quando se deveria tomar a intervalos regulares de tempo durante o dia. Da mesma forma, uma planta recomendada exclusivamente para uso externo não deve ser administrada internamente.

O uso contínuo de uma mesma planta deve ser evitado. Recomenda-se períodos de uso máximo entre 21 e 30 dias, intercalados por um período de descanso entre 4 e 7 dias, permitindo que o organismo desacostume-se e, também, para que o vegetal possa atuar com toda a sua eficácia.

A adição de mel a chás e xaropes só deve ser feita depois que estes fiquem mornos ou frios.

A dosagem dos remédios caseiros feitos com plantas medicinais variam de acordo com a idade e com o tipo de metabolismo de cada pessoa.

O horário em que devem ser tomados os preparados fitoterápicos é muito importante para a obtenção dos efeitos desejados. Assim, têm-se as seguintes regras gerais:

desjejum - preparações os laxativos, depurativos, diuréticos e vermífugos; duas horas antes e depois das refeições principais - preparações anti-reumáticas, hepatoprotetoras, neurotônicas e antitérmicas;

  • meia hora antes das refeições principais - preparações tônicas e antiácidas
  • depois das refeições principais - preparações digestivas e contra gases;
  • antes de se deitar - preparações hepatoprotetoras e laxativos.

As dosagens dos fitoterápicos caseiros variam de acordo com a idade e metabolismo de cada indivíduo.

Para os chás (decocção, infusão e maceração) recomenda-se:

6 meses de idade até 1 ano è 1 colher (café) do preparado 3 vezes ao dia                         (somente com acompanhamento médico)

1 a 2 anos è ½ xícara (chá) 2 vezes ao dia;

2 a 5 anos è ½ xícara (chá) 3 vezes ao dia;

5 a 10 anos è ½ xícara (chá) 4 vezes ao dia;

adultos è 1 xícara (chá) 3 a 4 vezes ao dia.

As informações sobre a dosagem de plantas medicinais são muito divergentes, principalmente quando se trata da medição de volumes com utensílios domésticos ou mesmo conversão de pesos em volumes e vice-versa. Recomenda-se que ao preparar decocções, infusões e macerações deve-se utilizar para material seco uma colher (chá) e para o vegetal fresco uma colher (sopa), ambos misturados em um litro de água.

Todo cuidado é pouco.

Mas isso não impede de utilizarmos as plantas medicinais, desde que, estas sejam empregadas da maneira correta.

BIBLIOGRAFIA



Medicina Alternativa®